País

Três dos detidos em operação da GNR na Costa da Caparica em prisão preventiva

ESTELA SILVA

No domingo, a GNR deteve cinco homens e uma mulher, e apreendeu droga, armas e dinheiro, numa operação contra o tráfico de droga.

Três das seis pessoas detidas no domingo pela GNR numa operação contra o tráfico de droga, na Costa da Caparica, concelho de Almada, que envolveu mais de 100 militares, ficaram em prisão preventiva, foi esta quarta-feira anunciado.

A GNR, num comunicado divulgado esta quarta-feira, refere que, "após a apresentação dos detidos a primeiro interrogatório judicial no Tribunal Judicial de Almada, foi aplicada a medida de coação de prisão preventiva a três dos detidos e a apresentações no posto policial da área de residência a outros três".

No domingo, a GNR deteve cinco homens e uma mulher, com idades entre os 26 e os 58 anos, e apreendeu droga, armas e dinheiro numa operação que se iniciou cerca da 05:00 e terminou perto das 10:00.

Esta operação decorreu "na sequência de uma investigação que tem vindo a ser desenvolvida há cerca de um ano e meio e resultou no desmantelamento de uma rede que se dedicava ao tráfico de estupefacientes através da venda direta ao consumidor no concelho de Almada, com obtenção de valores pecuniários ou de bens materiais obtidos através de furtos".

No âmbito dessa operação, foram realizadas 13 buscas domiciliárias, oito buscas não domiciliárias e foi dado cumprimento a três mandados de detenção, culminando na apreensão de diverso material ilícito e bens furtados, designadamente drogas, armas, telemóveis e dinheiro.

Esta operação, segundo a GNR, contou com o reforço do Grupo de Intervenção de Operações Especiais (GIOE), do Grupo de Intervenção de Ordem Pública (GIOP), Grupo de Intervenção Cinotécnica (GIC), da estrutura de Investigação Criminal do Comando Territorial de Setúbal, do Destacamento de Intervenção (DI) de Setúbal e com o apoio da Polícia de Segurança Pública.

As imagens da operação da GNR ao tráfico de droga na Costa da Caparica

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado