País

Defesa de António Mexia diz que medida de coação é ilegal e vai recorrer 

António Mexia e Manso Neto suspensos das funções na EDP.  

A defesa de António Mexia e João Manso Neto considera que a suspensão de funções, na EDP e EDP Renováveis, é "ilegal" e vai recorrer.

Uma vez notificados da decisão do juiz, António Mexia e João Manso Neto serão barrados pela segurança se tentarem aceder às instalações da EDP. Um é presidente da EDP, outro da EDP Renováveis, mas o processo das alegadas rendas excessivas envolve uma terceira empresa: a EDP Distribuição.

Manuel Magalhães e Silva, especialista em advocacia penal e contraordenacional, diz que a lei só permite suspender funções a funcionários públicos ou a trabalhadores de empresas concessionárias de serviços públicos. Ou seja, a EDP Distribuição, que é concessionária no domínio hídrico público -, mas não a EDP, nem a EDP Renováveis.

O juiz Carlos Alexandre entende que a EDP e a REN devem ser qualificadas como serviço público. Considera que era a EDP-mãe que respondia pela EDP Distribuição e que era Mexia e Manso Neto quem definiam os objetivos estratégicos dessa empresa, sendo, por isso, responsáveis por ela.