País

Presidente da Câmara de Castelo Branco perde mandato

Ministério Público tinha pedido a perda de mandado de Luís Correia, depois de ter sido divulgado que o autarca socialista teria assinado dois contratos com uma empresa detida pelo seu pai

O Tribunal Constitucional (TC) confirmou esta terça-feira a perda de mandato do presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia, e a decisão torna-se definitiva a partir do dia 30, disse à agência Lusa o advogado do autarca.

Artur Marques disse à agência Lusa que a decisão do TC foi tomada no dia 14 e que recebeu a notificação da perda de mandato de Luís Correia no dia 17.

O Ministério Público tinha pedido a perda de mandado de Luís Correia, depois de ter sido divulgado pelo jornal Público que o autarca socialista teria assinado dois contratos com uma empresa detida pelo seu pai.

Na resposta ao jornal, na ocasião, Luís Correia falou em "lapso evidente e ostensivo", e explicou que o último daqueles dois contratos, o de 2015, foi por si anulado depois de constatar "o lapso cometido", "apesar de ter sido mantido na plataforma eletrónica" dos contratos públicos.

O autarca acabou por ser condenado à perda de mandato pelo Tribunal Administrativo e Fiscal de Castelo Branco e, a partir daí, recorreu para as várias instâncias judiciais, processo que terminou agora com a decisão definitiva do Tribunal Constitucional.

Artur Marques explicou que "não vai reclamar" e adiantou que, em teoria, o Ministério Público (MP) o pode fazer, mas que, certamente, não o fará, pelo que a decisão de perda de mandato se torna definitiva a partir do dia 30.

"Continuo a pensar que a decisão não faz justiça ao caso. Mas é uma decisão que tem de ser respeitada e será respeitada", concluiu.

  • 20 anos da tragédia de Entre-os-Rios

    País

    A 4 de março de 2001, a Ponte Hintze Ribeiro, que ligava Entre-os-Rios a Castelo de Paiva, caiu e arrastou para o Douro três carros e um autocarro. Não houve sobreviventes, 59 pessoas morreram, 36 corpos nunca foram encontrados.

    finished

    SIC Notícias

  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes