País

Prisão preventiva para suspeito de ter ateado fogo que matou animais de Santo Tirso

(Arquivo)

Eletricista já estava a ser investigado há um mês.

O suspeito de ter ateado o fogo que teve início em Valongo e se estendeu a Santo Tirso, tendo vitimado dezenas de animais, ficou em prisão preventiva, indicou à Lusa fonte da Polícia Judiciária (PJ).

O Tribunal de Instrução Criminal determinou a prisão preventiva do homem de 29 anos que foi detido quarta-feira pela PJ em Sobrado, concelho de Valongo, e que é suspeito de ter ateado o fogo que a meio de julho atingiu dois canis ilegais na Agrela, freguesia do concelho de Santo Tirso.

De acordo com fonte da PJ, a medida de coação foi determinada depois de o suspeito ter sido hoje presente a primeiro interrogatório judicial.

Suspeito tem antecedentes criminais

Esta decisão acontece um dia depois da PJ, em conferência de imprensa, ter revelado que estava "convencida" de que o autor do fogo que vitimou os animais é um eletricista com antecedentes policiais "socialmente integrado", mas que é suspeito de ter ateado "mais três dezenas de fogos" na mesma área geográfica.

"O início desse incêndio - que depois tomou os abrigos [de animais na serra da Agrela, em Santo Tirso], e levou à morte daqueles animais - ocorreu exatamente naquela que era a zona de atuação do suspeito [detido hoje]. E o local onde começou, a forma como começou e alguns elementos que ligam a presença dele naquele local nos momentos que antecederam o início da ignição, faz-nos convencer que esse terá sido também um dos incêndios que tiveram origem no comportamento dele", disse na quarta-feira à tarde o diretor da Diretoria Norte da PJ, Norberto Martins.

No entanto, o diretor da Diretoria Norte da PJ procurou sublinhar que a investigação está em curso.

"Mas a investigação é difícil e complexa (...). Estamos convencidos de que terá sido ele, mas carece de outros elementos para consubstanciar a nossa suspeita", disse o diretor, que falava aos jornalistas nas instalações do Porto da PJ.

Norberto Martins contou que o suspeito, que foi detido em flagrante em Sobrado, no concelho de Valongo, após ter dado início a um incêndio junto ao kartódromo de Baltar, no concelho de Paredes, usa como método de ignição um isqueiro e material altamente inflamável e apresenta "comportamento erráticos".

O cerco ao homem detido começou há "mais de um mês", contou também o diretor da PJ e "há vários dias" que "vários elementos" das forças policiais estavam no local a investigar o comportamento deste suspeito.

Dezenas de animais morreram em Santo Tirso

Morreram 73 animais no abrigo atingido pelo incêndio.

Quando foi dado como dominado, a autarquia procedeu à retirada de 110 cães, ainda com vida, que se encontravam no abrigo, garantindo que 13 foram realojados no Canil/Gatil Municipal de Santo Tirso.