País

Situação de alerta prolongada até domingo

RODRIGO ANTUNES

A situação de alerta está em vigor em todos os distritos de Portugal continental.

O Governo anunciou esta sexta-feira o prolongamento "até ao final de domingo" da declaração de situação de alerta em todos os distritos de Portugal continental, face ao risco de incêndio rural, apelando ao cumprimento da proibição do uso do fogo.

"As próximas 48 horas continuam a inspirar cuidado, inspiram atenção, vamos manter alguns distritos em alerta vermelho e também outros em alerta laranja. Fruto disso, a decisão foi de prolongar a declaração de situação de alerta a todo território nacional [continental] até ao final do dia de domingo", afirmou a secretária de Estado da Administração Interna.

Dispositivo mantém-se no terreno

A declaração de situação de alerta implica a elevação do grau de prontidão e resposta operacional da GNR e da PSP, das equipas de emergência médica, saúde pública e apoio psicossocial e a mobilização em permanência das equipas de sapadores florestais e do Corpo Nacional de Agentes Florestais e dos Vigilantes da Natureza.

QUAIS SÃO AS PROIBIÇÕES EM SITUAÇÃO DE ALERTA?

Em situação de alerta é proibida a realização de queimadas e o uso de fogo de artifício ou de outros artefactos pirotécnicos e é proibido o acesso, circulação e permanência em espaços florestais "previamente definidos nos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios".

Também não são permitidos trabalhos florestais e rurais com equipamentos elétricos em espaços, como motorroçadoras, corta-matos, destroçadores e máquinas com lâminas ou pá frontal.

Incêndio de Sernancelhe está dominado

Em Sernancelhe, no distrito de Viseu, a situação está mais calma, mas ontem à tarde o fogo ameaçou algumas aldeias. Vários idosos chegaram mesmo a ser retirados de casa

Incêndio no Fundão. Dois bombeiros feridos no combate às chamas

O incêndio no Fundão começou na quinta-feira nos arredores de Bogas de Baixo. A meio da noite havia duas frentas ativas, mas ao início da manhã, o fogo estava em fase de resolução. Foram mais de 400 operacionais que andaram ao rumo incerto das chamas, mais uma centena de veículos e ainda meios aéreos.

A Estrada Nacional 238 esteve cortada e uma praia fluvial, em Janeiro de Cima, teve de ser evacuada. No combate às chamas dois bombeiros ficaram feridos, um pinhal foi consumido pelas chamas, mas as habitações foram salvaguardadas.

Homem detido por atear fogo em Mirandela

Um homem foi detido pela PSP de bragança por operar alfaias agrícolas - o que é proibido - e que terá provocado o incêndio de quinta-feira, em Mirandela. Esta sexta-feira, tanto o fogo de Mirandela como o de Torre de Moncorvo estão dominados.

No terreno permanecem ainda meios para os trabalhos de rescaldo e prevenção de reacendimentos

RISCO MÁXIMO EM QUASE 100 CONCELHOS

Quanto ao risco de incêndio definido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), é hoje máximo em quase uma centena de concelhos dos distritos de Braga, Porto, Viana do Castelo, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Viseu, Coimbra, Santarém e Portalegre.

Em risco muito elevado estão cerca de 60 municípios dos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Viseu, Coimbra, Aveiro, Coimbra, Leiria, Santarém, Castelo Branco, Portalegre e Faro.

Já em risco elevado de incêndio o IPMA colocou quase toda a região do Alentejo e parte do Algarve, assim como cerca de três dezenas de concelhos nos distritos de Lisboa, Santarém, Leiria, Aveiro, Viseu, Porto e Viana do Castelo.

Como é calculado?

O risco de incêndio definido pelo IPMA é calculado a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

O IPMA prevê para hoje uma pequena descida da temperatura máxima e nebulosidade na faixa costeira.

As temperaturas máximas vão variar entre os 23º (Porto e Aveiro) e os 37º (Bragança, Castelo Branco e Évora) e as mínimas entre os 15º (Braga) e os 22º (Portalegre e Faro).