País

Fogo no parque Peneda-Gerês em fase de resolução

O incêndio começou no sábado em Lindoso, em Ponte de Barca, dia em que um avião Canadair despenhou-se no combate às chamas, causando a morte de um dos pilotos.

O incêndio, que começou no sábado em Lindoso, em Ponte de Barca, entrou em resolução às 01:45, disse à Lusa fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Pelas 02:12 continuavam no terreno 227 operacionais, apoiados por 73 viaturas, naquela área do Parque Nacional da Peneda-Gerês, de acordo com a página na Internet da ANEPC.

Na segunda-feira, o segundo comandante operacional distrital de Viana do Castelo, Paulo Barreiro, tinha indicado que o terreno era "muito difícil para a progressão" dos operacionais e "para a consolidação do perímetro do fogo".

"Por isso, cautelosamente, não queremos dá-lo como dominado. Quando conseguirmos segurar as reativações, aí sim podemos mudar o estado do fogo", explicou, na altura, o responsável.

No sábado, no combate às chamas em Lindoso, um piloto português morreu e um piloto espanhol ficou gravemente ferido quando o avião Canadair português em que seguiam se despenhou em território espanhol, a cerca de dois quilómetros da fronteira.

O copiloto do avião Canadair está "estável e fora de perigo", segundo fonte do hospital de Braga.

Governo ordena abertura de inquérito a queda de Canadair no Gerês

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado