País

GNR apreende artigos contrafeitos no valor de 9.500 euros

(Arquivo)

As apreensões aconteceram em Marco de Canaveses e no concelho da Horta, na ilha do Faial.

A GNR apreendeu diversos artigos contrafeitos em Marco de Canaveses e no concelho da Horta, na ilha do Faial, avaliados em perto 9.500 euros, foi hoje anunciado.

Em dois comunicados, a GNR avança que as apreensões aconteceram na sexta-feira, tendo sido identificados, em Marco de Canaveses, quatro homens e quatro mulheres com idades entre os 30 e os 55 anos, e constituídos arguidos por crime de contrafação.

Segundo a GNR, foi no decorrer de uma ação de fiscalização e combate à contrafação, na feira quinzenal do concelho de Marco de Canaveses, que os militares fiscalizaram nove bancas comerciais que tinham exposto para venda artigos contrafeitos de várias marcas conhecidas, avaliadas em sete mil euros.

A ação contou com o reforço dos Postos Territoriais de Alpendurada, Amarante e Vila Meã.

Também nos Açores, através do Destacamento Territorial da Horta, as autoridades apreenderam cerca de 120 artigos de vestuário e calçado contrafeitos, com um valor estimado de 2.500 euros.

No decorrer de uma ação de fiscalização, A GNR detetou o material contrafeito em contentores de carga junto a um espaço comercial, tendo sido identificada uma mulher de 46 anos, por suspeita do crime de contrafação e uso ilegal de marca.

  • 2:37
  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro