País

Já estão marcados os lugares em frente ao palco da Festa do Avante 

Ana Geraldes

Ana Geraldes

Jornalista

Depois do parecer, o PCP divulgou o Plano de contingência e continua os preparativos na Quinta da Atalaia.

Nem 24 horas depois da DGS ter divulgado o parecer técnico em que consta a lotação máxima definida para cada um dos espaços da Festa do Avante (no total de 16 536 pessoas no recinto, em simultâneo) e lugares sentados para assistir a espetáculos e comícios, imagens de drone, recolhidas pela SIC na manhã desta terça-feira, dão para ver as marcações no terreno de cada um dos lugares em frente ao palco 25 de abril, o maior do recinto, onde a DGS limitou a plateia a um máximo de 2 mil pessoas.

É neste palco de Jerónimo de Sousa fará o comício de domingo, aquele para o qual o partido apelava à presença de todos os membros do partido, "em resposta" ao que se tem dito e escrito sobre a realização da Festa do Avante "A dimensão da ofensiva contra o PCP exige resposta", referia em comunicado emitido na segunda-feira de manhã, pouco antes da DGS ter divulgado a versão final do parecer técnico enviado ao partido no domingo.

No plano de contingência, que divulgou na segunda-feira à tarde, o PCP aceita a lotação limitada e os lugares sentados. Mas considera a área do recinto 300 mil metros quadrados e não apenas a área dos espaços que são usados para atividades específicas que a DGS usou e que levou à redução para metade do número de pessoas que, em simultâneo, são permitidas dentro da Quinta da Atalaia.


O "Ok" da DGS ao Avante no The New York Times

Um número "nada habitual": 16 500 pessoas, destaca o The New York Times esta terça-feira. Para o jornal americano, não se tem visto um número "tão alto" permitido em ajuntamentos na Europa.

O "Ok" das autoridades de saúde portuguesas ao evento do "Partido Comunista", contado pelo The New York Times serviu a Rui Rio para apontar o dedo à realização desta rentrée comunista: "Espero que não tenha consequências em termos daquilo que é a confiança que os outros países possam ter na forma como nós estamos a combater a pandemia", disse o líder do PSD à saída do hospital de S. João, avisando que, naturalmente, isso reflecte-se na economia e entendendo que houve uma "cedência especial" ao PCP.