País

"Fátima precisa de ser reestruturada. O Santuário vive da esmola dos peregrinos"

Entrevista na íntegra

O teólogo Henrique Pinto deixa críticas ao que o Santuário se tornou ao longo dos anos.

O Santuário de Fátima sem peregrinos a 13 de maio foi uma situação inédita. Também na Páscoa, as portas ficaram fechadas por causa da pandemia de Covid-19. E isso refletiu-se nas contas da instituição.

Aos atuais 308 trabalhadores do Santuário de Fátima, foi comunicada necessidade de se reduzir custos, que se traduzem em empregos. Mas já desde maio que o número tem vindo a descer, nessa altura eram cerca de 350.

O Santuário justifica assim a decisão com a falta de peregrinos.

"O Santuário vive da esmola dos peregrinos"

O teólogo Henrique Pinto esteve esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias para comentar a decisão anunciada pela Igreja. Para Henrique Pinto, o que está a acontecer era previsível uma vez que, atualmente, o Santuário vive muito de quem o visita. "O Santuário vive da esmola dos peregrinos. E isso não devia acontecer nunca", frisou o teólogo.

Para Francisco defende que a pandemia devia incentivar a estilos de via mais simples

O Papa Francisco defendeu esta terça-feira que a pandemia de Covid-19 mostrou como a Terra pode recuperar "se permitirmos que descanse" e deve incentivar as pessoas a adotarem estilos de vida mais simples para ajudar o planeta.

O pontífice exortou as pessoas a aproveitarem a oportunidade para examinar hábitos de uso de energia, consumo, transporte e dieta.

Até agora, "a procura constante pelo crescimento e um ciclo infinito de produção e consumo estão a esgotar o mundo natural", disse.

Francisco saudou as comunidades indígenas que "vivem em harmonia com a terra e suas múltiplas formas de vida''.

"Fátima precisa ser reestruturada à luz do evangelho"

Henrique Pinto recorreu às palavras do Papa para aconselhar a Igreja a fazer o mesmo. Considera que Fátima está a precisar de ser reestruturada à luz do evangelho que "sempre pediu uma vida simples, pacata e sóbria".

"Fátima terá de repensar a sua estrutura. E terá certamente de o fazer à luz do evangelho que certamente não tem nada a ver com a economia da procura e da oferta", sublinhou.

"Enchente no 13 de outubro não vai existir"

Todos os anos, milhares de fiéis rumam a Fátima no dia 13 de outubro, dia que assinala uma das aparições de Nossa Senhora. Este ano, por causa da pandemia, tal pode não acontecer.

O teólogo Henrique Pinto diz mesmo que a habitual "enchente do 13 de outubro" não vai existir.