País

Portugueses recrutados para empresa no Luxemburgo deparam-se com situações de exploração

Portugueses que foram recrutados em Portugal para trabalharem em empresas de construção civil, propriedade de portugueses, foram obrigados a fugir.

O Governo português está a acompanhar o alegado recrutamento abusivo de trabalhadores portugueses no estrangeiro, após várias situações no Luxemburgo que o embaixador português comunicou a Portugal, segundo fonte oficial.

Desde o início da pandemia de covid-19 que a embaixada de Portugal no Luxemburgo tem registado um aumento de casos de portugueses que são recrutados em Portugal para trabalharem em empresas de construção civil, propriedade de portugueses, e que quando chegam se deparam com situações de exploração.

Embaixador já teve conhecimento de casos

Recentemente, o embaixador de Portugal no Luxemburgo, António Gamito, disse à Lusa que teve conhecimento de vários trabalhadores portugueses, alguns com idade avançada, que responderam a um anúncio de jornal para trabalho numa empresa de construção civil portuguesa no Grão-Ducado e acabaram a receber menos do que o prometido e a trabalhar muito mais e sem condições.

Segundo uma reportagem do Diário de Notícias da passada quinta-feira, os trabalhadores foram tratados "como escravos" pelo empresário português Helder Pereira, da empresa HP Construction.

Portugueses obrigados a fugir

A braços com o desemprego e aliciados por um ordenado mais elevado que o praticado na construção civil em Portugal, os portugueses tiveram mesmo de fugir, segundo o jornal.

António Gamito teve conhecimento do caso, o quarto desde que assumiu funções, há dois anos, e imediatamente denunciou a situação às autoridades luxemburguesas e de Portugal.

Governo português acompanha recrutamento abusivo

Fonte do gabinete da secretária de Estado das Comunidades Portuguesas disse à Lusa que o Ministério dos Negócios Estrangeiros "tem acompanhado este caso através da embaixada de Portugal no Luxemburgo, que tomou as devidas diligências solicitando junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo a intervenção da Inspeção de Trabalho e Minas, do Ministério do Trabalho, já levada a cabo".

Em Portugal, "a situação foi transmitida ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, tendo em vista uma abordagem coordenada a esta questão", referiu a mesma fonte, segundo a qual "também a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas a comunicou às entidades competentes".

"O recrutamento abusivo de trabalhadores portugueses" será abordado durante uma reunião da secretária de Estado das Comunidades Portuguesas com o Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Madeiras, Mármores, Pedreiras, Cerâmica e Materiais de Construção de Portugal.

No Luxemburgo vivem quase 73.000 portugueses, o que representa mais de 12% da população, estimada em 264.000 habitantes, de acordo com dados do Observatório da Emigração.