País

Jerónimo de Sousa deixa aviso a Marcelo: "Tudo tem limites"

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), Jerónimo de Sousa, durante a visita à exposição comemorativa dos 50 anos da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional (CGTP-IN), no largo Camões, em Lisboa

MANUEL DE ALMEIDA

Secretário-geral do PCP falou quanto aos poderes presidenciais face aos sucessivos apelos para a viabilização do OE de 2021 pela esquerda ou pelo PSD.

O secretário-geral do PCP avisou esta terça-feira Marcelo Rebelo de Sousa que "tudo tem limites" quanto aos poderes presidenciais face aos sucessivos apelos para a viabilização do Orçamento do Estado de 2021 pela esquerda ou pelo PSD.

"Cada qual no seu lugar. O Presidente da República tem um papel importante, com os poderes que detém, mesmo até de acompanhar, incentivar, dar respostas a alguns problemas, mas tudo tem limites", afirmou Jerónimo de Sousa à margem da visita a uma exposição, ao ar livre, sobre os 50 anos da CGTP, em Lisboa.

Depois de ouvir em dias sucessivos apelos de Marcelo Rebelo de Sousa para que a esquerda viabilize o Orçamento do Governo do PS e depois também ao PSD, Jerónimo de Sousa afirmou aos jornalistas que é "uma expressão muito equívoca".

Como se quisesse "estabelecer um conflito entre o que diz e a Assembleia da República", disse, para tirar uma conclusão que pode ser lida como um aviso a Marcelo sobre os poderes de cada órgão, à luz da Constituição.

"À Assembleia da República o que é da Assembleia da República. Ao Presidente da República o que é do Presidente da República", acentuou.

Jerónimo de Sousa tentou explicar esta posição "um pouco contraditória" de Marcelo, de que "tanto faz com estes ou com aqueles" a aprovação do Orçamento com o papel de que o acusa de "branqueamento do PSD" e na alegada tentativa de formação de um bloco central com o PS.

O PCP anunciou a candidatura do eurodeputado João Ferreira como candidato às eleições presidenciais de 2021.