País

Navio atraca no porto de Leixões com três tripulantes clandestinos a bordo

Polícia Marítima

Autoridade Marítima Nacional

Os tripulantes encontram-se fechados em camarotes separados e a ser vigiados pela Polícia Marítima.

Um navio de carga oriundo de Roterdão, na Holanda, com três tripulantes clandestinos de nacionalidade albanesa a bordo, atracou esta segunda-feira no porto de Leixões, segundo divulgou em comunicado a Autoridade Marítima Nacional.

"Após recebida a informação de que um navio havia atracado com três tripulantes clandestinos a bordo, foram empenhados para o local dois agentes do Comando-local da Polícia Marítima de Leixões para tomar conta da ocorrência e vigiar os tripulantes, a pedido da companhia do navio", pode ler-se no comunicado.

Os tripulantes clandestinos encontram-se fechados em camarotes separados e a ser vigiados pelos elementos da Polícia Marítima, indica a autoridade.

De acordo com o comunicado, "o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) deslocou-se ao local para avaliar a situação e, uma vez que os que os tripulantes clandestinos não pediram asilo, o comandante do navio foi notificado de que os mesmos terão de permanecer a bordo até ao próximo porto".

Os agentes da Polícia Marítima de Leixões irão manter-se a bordo do navio para assegurar que os tripulantes não saem até às 23:00, hora que o navio larga do porto de Leixões.

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro