País

Depressão Bárbara: Faro e Setúbal foram os distritos mais afetados pelo mau tempo

O vento e a chuva causaram maioritariamente inundações e quedas de árvores. 

Foram registadas mais de mil ocorrências em todo o país, esta terça-feira, devido à depressão Bárbara. Oito distritos estiveram sob aviso vermelho. Os mais afetados foram Faro, com 238 ocorrências, e Setúbal, com 155. Apesar dos danos, não há registo de vítimas.

A Proteção Civil contabilizou 1.016 ocorrências em Portugal continental entre as 00:00 e as 23:47 de terça-feira, provocadas pela passagem da depressão Bárbara, um dia assinalado por várias inundações devido à chuva intensa.

De acordo com fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), entre as 00:00 e as 23:47 de terça-feira foram registadas 1.016 ocorrências em todo o território continental, das quais 238 aconteceram no distrito de Faro, o mais afetado pelo mau tempo.

O distrito de Setúbal foi o segundo mais afetado pela passagem da depressa Bárbara, com 155 ocorrências contabilizadas, seguido pelo de Lisboa (154) e pelo de Portalegre (107).

As ocorrências foram, maioritariamente, inundações de superfícies por causa da chuva intensa, assim como quedas de árvores e de estruturas devido ao vento forte.

À semelhança de segunda-feira, não houve informações sobre vítimas ou infraestruturas danificadas com severidade.

Na segunda-feira, a Proteção Civil contou 510 ocorrências até às 23:59.

A depressão Bárbara atravessou o continente português durante a tarde de terça-feira, verificando-se chuva intensa em oito distritos e vento forte em todo o território nacional.

"Um temporal destes é perfeitamente normal"

O investigador Filipe Duarte Santos disse esta terça-feira, na SIC Notícias, que a tempestade Bárbara é "perfeitamente normal" e explicou os fatores que levam à existência de fenómenos como este.

De acordo com o especialista, "devido às alterações climáticas, o sistema climático tem mais energia, está mais energético" e, portanto, estes fenómenos "tornam-se mais violentos e os eventos meteorológicos extremos tornam-se mais severos".