País

Aeroporto do Montijo. Ministro admite avaliação ambiental estratégica

JOSÉ SENA GOULÃO

Pedro Nuno Santos disse que a pandemia veio dar tempo ao Governo para ponderar essa possibilidade.

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, disse esta quarta-feira que a crise causada pela pandemia veio dar ao Governo tempo para ponderar sobre a possibilidade de uma avaliação ambiental estratégica sobre o novo aeroporto do Montijo.

Numa audição no parlamento, no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) e em resposta à deputada Inês Sousa Real, do PAN, o ministro sublinhou que, antes da pandemia de covid-19, a capacidade do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, estava "esgotada", sendo recusados "muitos voos" o que levava à perda de receitas para vários setores da economia.

"A urgência fazia com que nós não perdêssemos mais tempo na necessidade de expandir a capacidade aeroportuária de Lisboa", continuou Pedro Nuno Santos.

"Não ignoramos que a pandemia, não retirando a necessidade de aumentar a capacidade aeoportuária, porque contamos com a recuperação dentro de alguns anos, dá-nos algum tempo para ponderarmos a possibilidade de avaliação ambiental estratégica", afirmou o ministro.

Várias organizações ambientais têm defendido que o processo referente ao novo aeroporto de Lisboa tem de ser apreciado no contexto de uma avaliação ambiental estratégica, em que sejam ponderadas várias opções possíveis.

Questionado ainda pela deputada do PAN sobre a abertura do Governo para acolher, durante a discussão na especialidade, a proposta do seu partido sobre a criação de uma taxa de carbono de dois euros para o fundo ambiental e para a ferrovia, o ministro manifestou-se disponível para discutir o tema.

"Estamos disponíveis para falar convosco sobre políticas de descarbonização", repondeu Pedro Nuno Santos à deputada do PAN, partido que se absteve na votação na generalidade da proposta de OE2021, contribuindo assim para a sua aprovação.

Antes, Pedro Nuno Santos já tinha indicado que o Governo está "disponível" para "encontrar formas de o setor da aviação contribuir para um futuro mais sustentável, enquanto não tem alternativas em termos de fonte de energia".

Veja também: