País

Autarquia de Aveiro diz que abate de 80 árvores é uma questão de segurança

Os movimentos cívicos já entregaram um processo contra a Câmara Municipal em tribunal.

O corte de 80 árvores com mais de 25 anos, em Aveiro, está a gerar consternação entre a população. Movimentos cívicos contestam a decisão da câmara e já avançaram com o caso para Tribunal.

A Câmara Municipal reagiu à consternação com um comunicado cheio de acusações. Afirmam que os movimentos que estão a tentar salvar as árvores têm uma agenda partidária e também a cobertura dos órgãos de informação – incluindo a da SIC – são criticadas.

Ribau Esteves, presidentes da Câmara Municipal de Aveiro, não gostou de ver o caso resumido à morte de 80 árvores, um número que afinal peca por defeito: serão cortadas um total de 84 árvores.

“Não viemos aqui abater 80 árvores, isto dito assim seco é uma coisa horrível”, disse o autarca à SIC Notícias. “Neste passeio, quando tinha as árvores, não era possível uma pessoa circular tranquilamente e em segurança. Não era possível uma pessoa em cadeira de rodas [circular], tinha de ir misturar-se com os automóveis. E portanto tinha um conjunto vasto de problemas”, explica.

Os movimentos críticos defendem que teria sido possível fazer a requalificação da área envolvente à escola de forma a preservar as árvores com mais de 25 anos. Uma associação chegou mesmo a entregar um processo contra a Câmara Municipal em tribunal.