País

Jerónimo de Sousa diz que não faz palpites sobre futuro da liderança do PCP

"O PCP continua a ter homens e mulheres capazes de assumir todas as responsabilidades".

O secretário-geral do Partido Comunista disse este sábado que não faz palpites em relação ao futuro da liderança do partido, garantindo apenas que está empenhado na sua “contribuição até ao limite” para que o PCP tenha um papel importante na sociedade portuguesa.

Sobre uma possível sucessão de João Ferreira, diz apenas que o candidato às presidenciais está neste momento “empenhadíssimo” nessa eleição, mas que poderá vir a ser considerado no quadro das soluções futuras do partido.

“O PCP continua a ter homens e mulheres capazes de assumir todas as responsabilidades”, afirmou.

Questionado sobre a direita, Jerónimo de Sousa defende um partido empenhado no combate das “diversas expressões” da direita, que acusa de ser uma solução de retrocesso de décadas.

Ao segundo dia de congresso, comunistas elegem novos órgãos de direção

O XXI congresso do PCP entra este sábado no seu segundo dia de trabalhos, no qual os delegados vão eleger o novo comité central e depois é escolhido o secretário-geral, devendo continuar Jerónimo de Sousa.

Durante o dia do congresso, no pavilhão Paz e Amizade, em Loures, Lisboa, está previsto o discurso do candidato apoiado pelos comunistas às presidenciais de 24 de janeiro de 2021, João Ferreira.

À tarde, os delegados, reduzidos a metade do habitual - 600 - devido à crise pandémica de covid-19, elegem o novo comité central, na base da proposta feita pelo Comité Central cessante. Depois de eleito, o novo comité central reúne-se para eleger os seus organismos executivos e escolher o secretário-geral, que deverá continuar a ser Jerónimo de Sousa, no cargo há 16 anos, desde 2004.