País

Jerónimo de Sousa reeleito secretário-geral do PCP

ANTÓNIO COTRIM

Escolhido pelo Comité Central no congresso do partido em Loures.

Jerónimo de Sousa continua na liderança do Partido Comunista, depois de ter sido eleito como secretário-geral do PCP, pela quinta vez, no Congresso do partido que termina este domingo em Loures, com 128 a favor e 1 contra.

Na reunião do comité central, no sábado à noite, Jerónimo de Sousa entendeu "não votar na sua própria candidatura", tendo sido eleito "por maioria, com um voto contra", de acordo com uma informação distribuida aos delegados e aos jornalistas, no congresso, em Loures, distrito de Lisboa.

Jerónimo de Sousa, 73 anos, é líder dos comunistas há 16 anos, desde 2004. Foi reeleito para mais um mandato de quatro anos.

“Alternativa política não será possível sem o PCP”

No encerramento do congresso do PCP, Jerónimo de Sousa afirmou que uma alternativa política não será possível sem o Partido Comunista, defendendo que o partido é indispensável para construir um futuro de progresso.

Eleição do comité central

A quarta sessão do XXI congresso do PCP, em Loures, terminou cinco minutos antes da hora prevista, às 16:55, seguindo-se uma reunião fechada, reservada aos militantes, para eleger o novo comité central.

A reunião da tarde terminou com a exibição de um filme sobre a história do partido, exibido no ecrã gigante do pavilhão Paz e Amizade, em Loures, distrito de Lisboa, e aplaudido de pé pelos delegados que gritaram "PCP, PCP".

A reunião fechada serviu para discutir e votar a proposta de composição do comité central, feita pelo que está ainda em funções.

Já à noite, o novo comité central elegeu o secretário-geral e os órgãos executivo - secretariado e comissão política.

FUTURO DA LIDERANÇA DO PCP

O secretário-geral do Partido Comunista tinha no sábado que não fazia palpites em relação ao futuro da liderança do partido, garantindo apenas que estar empenhado na sua “contribuição até ao limite” para que o PCP tenha um papel importante na sociedade portuguesa.

Sobre uma possível sucessão de João Ferreira, quando abanadonar o partido, Jerónimo disse apenas que o candidato às presidenciais está neste momento “empenhadíssimo” nessa eleição, mas que poderá vir a ser considerado no quadro das soluções futuras.

“O PCP continua a ter homens e mulheres capazes de assumir todas as responsabilidades”, afirmou.

O congresso do PCP

No total, serão 600 os delegados que, desta vez, e por causa da epidemia, tiveram apenas cadeiras para se sentar, sem mesas, de forma a manter a distância de segurança entre si.

Apesar de ser organizado segundo regras da Direção-Geral da Saúde (DGS), o congresso gerou polémica e foi criticado por dirigentes partidários, especialmente do PSD e do CDS.

Este é o primeiro congresso partidário que acontece durante um Estado de Emergência no país em Democracia.