País

Nova lei da residência alternada traz poucas mudanças

A legislação entrou esta terça-feira em vigor, mas ficou aquém do que era pedido ao Parlamento.

Depois de uma petição levada à Assembleia da República a pedir que os filhos de casais divorciados ficassem a viver com os dois progenitores, alternadamente, os deputados acabaram por fazer nova lei.

Porém, a legislação ficou muito aquém do que era pedido. Ao fim de mais de ano e meio de discussão, e num processo polémico cheio de avanços e recuos, ficou apenas inscrito que a residência alternada é uma das possibilidades e não a regra.

Especialistas ouvidos pela SIC explicam que a diferença entre as duas leis é muito pouca.