País

Médico e enfermeiros condenados por falsa contraprova ao álcool no sangue

Médico apanhado com 1,56 de taxa de alcoolemia pediu a ajuda a enfermeiro para contraprova negativa.

Um médico e dois enfermeiros do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra foram esta quarta-feira condenados a penas suspensas entre os 2 anos e 10 meses e 3 anos e meio. Estavam acusados de ajudar o clínico numa contraprova de alcoolemia, depois deste ter sido identificado pela polícia na sequência de um acidente.

O tribunal deu como provado que o médico telefonou a um amigo enfermeiro, pedindo ajuda numa noite de verão em 2017. Tinha acabado de se despistar numa avenida da cidade, embatendo contra um veículo. Ao fazer o teste de alcoolemia, acusou 1,56 gramas por litro e pediu a contraprova. Foi conduzido ao hospital onde outro enfermeiro, que foi contactado pelo primeiro para dar uma ajuda, acabou por retirar o próprio sangue, fingindo extrair o do clínico.

Os três ficam também proibidos de recolher sangue para efeitos de pesquisa de álcool. O tribunal não atendeu ao pedido do Ministério Público de proibição de exercício de funções ao enfermeiro que retirou o próprio sangue.

  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes