País

Queda de Portugal no ranking internacional de ensino de Matemática leva a troca de acusações

O secretário de Estado Adjunto e da Educação acusa o antigo ministro da Educação, Nuno Crato, de ser responsável pela descida na avaliação.

Portugal caiu várias posições na avaliação internacional dos alunos do quarto ano nas disciplinas de Matemática e Ciências. O resultado levou a uma troca de acusações entre o ministro da Educação de Pedro Passos Coelho e o atual secretário de Estado Adjunto e da Educação, num passa culpas entre os dois governos.

Em 2015, os alunos portugueses ficaram na 13.ª posição, à frente dos finlandeses. Quatro anos depois ficaram em 20.º, numa lista de 58 países. A avaliação internacional realiza-se de quatro em quatro anos e classifica o sistema de ensino do quarto e oitavo anos nas disciplinas de Matemática e Ciências.

O secretário de Estado Adjunto e da Educação disse, ao Expresso, que a culpa é da reforma aplicada pelo Governo de Passos Coelho entre 2012 e 2015.

“Os alunos avaliados em 2019 (…) seguiram desde o primeiro ano as metas curriculares do ministro Nuno Crato”, diz João Costa, e “a exigência associada a estas metas acabaram por baixar os desempenhos”.

O ex-ministro, em resposta ao Expresso, defende-se das acusações que considera “irresponsáveis e falsas”.

“A reversão do progresso de 2015 tem como responsável as medidas do governo atual”, afirma, acrescentando que a descida na avaliação internacional “exige ser seriamente analisada”.

Nuno Crato declara ainda que “os estudantes do quarto ano avaliados em 2015 (…) fizeram todo o percurso escolar numa cultura de exigência, avaliação e valorização do conhecimento”.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão