País

42 refugiados vindos da Turquia chegaram na 5ª feira a Portugal

Laszlo Balogh

32 vão ser acolhidos em Loures e 10 em Lisboa.

42 cidadãos beneficiários do estatuto de refugiados provenientes da Turquia chegaram na quinta-feira a Portugal ao abrigo do Programa Voluntário de Reinstalação do Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), informou esta sexta-feira o Governo.

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI) adianta tratar-se de 24 cidadãos iraquianos e 18 sírios que correspondem a oito agregados familiares.

Destes 42 refugiados, 32 vão ser acolhidos em Loures (distritos de Lisboa) e 10 em Lisboa.

Segundo dados do MAI, até ao momento, chegaram a Portugal 620 pessoas no âmbito do Programa Voluntário de Reinstalação do ACNUR e da Comissão Europeia.

Destas 620 pessoas, 245 chegaram do Egito e 375 da Turquia.

O MAI destaca que o "acolhimento e a integração das pessoas refugiadas têm sido uma prioridade do Governo, num esforço contínuo que envolve Estado central e autarquias locais, bem como entidades públicas e privadas, e que tem sido reconhecido pelas Nações Unidas, pela Organização Internacional das Migrações, pela União Europeia e pelo Conselho da Europa".

Na nota, é também destacado que todos esses cidadãos beneficiam do Estatuto de Refugiado concedido por despacho do MAI, sendo titulares de uma declaração comprovativa do Estatuto de Proteção Internacional enquanto aguardam a emissão do Título de Residência para Refugiado, nos termos da Lei de Asilo.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia