País

Paralisação dos professores com pouco impacto em Lisboa e Coimbra

Docentes exigem valorização da carreira.

Esta sexta-feira é dia de greve nacional dos professores e educadores de infância. Exigem recuperar o tempo de serviço congelado, alteração à idade de reforma e contratação de pessoal.

Em Lisboa, a greve está a ter pouco impacto. Cenário idêntico aconteceu em Coimbra.

O secretário-geral da Fenprof lembra a falta de vontade de diálogo por parte do Ministério da Educação e afirma que não há uma reunião desde janeiro. Diz ainda que muitos dos problemas já são conhecidos: a reposição do tempo de serviço congelado, a idade legal da reforma e a falta de professores nas escolas.

A Fenprof diz que estão abrangidos nesta greve 150 mil professores e educadores de infância. Está marcada para a próxima semana uma reunião entre sindicatos para se decidirem os próximos passos.