País

Paralisação dos professores com pouco impacto em Lisboa e Coimbra

Docentes exigem valorização da carreira.

Esta sexta-feira é dia de greve nacional dos professores e educadores de infância. Exigem recuperar o tempo de serviço congelado, alteração à idade de reforma e contratação de pessoal.

Em Lisboa, a greve está a ter pouco impacto. Cenário idêntico aconteceu em Coimbra.

O secretário-geral da Fenprof lembra a falta de vontade de diálogo por parte do Ministério da Educação e afirma que não há uma reunião desde janeiro. Diz ainda que muitos dos problemas já são conhecidos: a reposição do tempo de serviço congelado, a idade legal da reforma e a falta de professores nas escolas.

A Fenprof diz que estão abrangidos nesta greve 150 mil professores e educadores de infância. Está marcada para a próxima semana uma reunião entre sindicatos para se decidirem os próximos passos.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão