País

MAI quer acompanhar inquérito da PSP a alegadas agressões a ucraniano em esquadra 

Homem apresentou queixa.

O Ministério da Administração Interna vai acompanhar o inquérito da PSP a alegadas agressões a um ucraniano numa esquadra de Vila do Conde.

Num comunicado enviado às redações, o ministério tutelado por Eduardo Cabrita explica que "este processo permite à Inspeção-Geral da Administração Interna acompanhar o evoluir do inquérito e avocá-lo, se for preciso".

O caso refere-se a um cidadão ucraniano detido por conduzir com uma taxa de alcoolemia de 2,56g/l, que terá sido agredido por agentes da PSP. O homem ficou com dois dentes partidos e com escoriações na boca, no tórax e nos braços.

Homem apresenta queixa contra PSP

O detido apresentou denúncia no dia seguinte, 6 de dezembro, alegando uso excessivo de força, estando a decorrer uma averiguação interna.

Num comunicado divulgado este sábado, a PSP revelou que a detenção ocorreu à 01:38 após o veículo, que circulava sem as luzes ligadas, ter sido mandado parar. Apercebendo-se na abordagem os agentes do "comportamento" e "odor exalado", o condutor foi então submetido a teste de alcoolemia.

O referido teste, prossegue a nota de imprensa, registou uma taxa de "2,56g/l, o que constitui a prática de crime, nos termos do Código de Estrada", tendo ainda apurado a PSP que o cidadão fora "anteriormente detido pelos mesmos motivos".

Após lhe ter sido dada ordem de detenção pelo crime de condução sob o efeito de álcool, pois apresentava uma taxa "superior a 1.20g/l", o condutor "tentou sair da instalação policial e reagiu de forma agressiva contra os polícias, quando foi impedido de o fazer", acrescenta a PSP, detalhando que procedeu "à sua restrição e algemagem".

Cerca das 03:45, depois de "notificado para comparecer em tribunal e demais procedimentos que decorrem da detenção", o homem "saiu livremente da instalação policial, tendo prescindido de contacto com os familiares e defensor, bem como de observação médica", continua o comunicado.

No dia 07 de dezembro, pelas 12:55, numa esquadra do Comando Metropolitano do Porto, o homem apresentou "uma denúncia contra os polícias que o detiveram no dia anterior, por alegado uso excessivo de força", revela a PSP.

Dessa denúncia, prossegue a Polícia, "foi elaborado o respetivo auto que, como decorre da lei, foi remetido à autoridade judiciária competente" e "instaurado um inquérito, pelo Comando Metropolitano do Porto, para apuramento dos factos e dos contornos da ocorrência registada", pode ler-se ainda.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão