País

Polícia Federal do Brasil admite voltar a ouvir João Loureiro e avalia medidas de coação

A SIC falou com o responsável pela investigação.

A Polícia Federal brasileira admite voltar a ouvir João Loureiro e põe a hipótese de medidas de coação dependentes do decorrer do processo. Em entrevista à SIC, o responsável pela investigação à meia tonelada de cocaína encontrada num jato admite que Portugal poderia ser apenas o ponto de passagem da droga.

Elvis Secco, o responsável pela investigação, assegura que o antigo presidente do Boavista e os outros passageiros e tripulantes do jato são suspeitos de tráfico de droga e branqueamento de capitais.

Diz que é cedo para se falar em medidas de coação, mas avisa que podem vir a ser pedidas quando houver provas que o justifiquem.

Ouvido no fim de semana passado pela Polícia Federal brasileira, João Loureiro pode vir a ser novamente chamado. Se já não estiver em solo brasileiro, o depoimento será feito através das autoridades portuguesas.

Elvis Secco admite que Portugal poderia nem sequer ser o destino final da meia tonelada de cocaína, mas um ponto de passagem para países como Itália ou a Bélgica. A investigação no Brasil está ainda no início e dependente da cooperação internacional com Portugal e Espanha.

  • O bicho homem em quatro episódios

    Opinião

    Gostava muito de partilhar o otimismo de Attenborough e de Bregman. Mas depois há episódios como o da Superliga. Ou o das vacinas concentradas no hemisfério Norte. E a esperança esvai-se. Como as superfícies geladas do Ártico no verão.

    Cristina Figueiredo