País

Zoo de Santo Inácio reforça estímulos com animais para compensar falta de público

José Caldelas

José Caldelas

Repórter de Imagem

Vítor Moreira

Vítor Moreira

Editor de Imagem

Os animais perderam de forma repentina os estímulos visuais, auditivos e olfativos, devido ao encerramento do parque.

O Zoo de Santo Inácio fechou portas há cerca de um mês e meio e para ultrapassar a falta de estímulos, que eram trazidos diariamente pelos visitantes, as equipas de tratamento reforçaram os truques que já vinham a desenvolver para que essa quebra não fosse tão sentida pelos animais.

A diretora do Zoo, Teresa Guedes, explicou à SIC que as atividades e os estímulos que os tratadores proporcionavam aos animais já aconteciam, mas com o confinamento foram reforçados e intensificaram-se. Por exemplo, são colocados em caixas alguns alimentos misturados com brinquedos para que os primatas tenham de procurar.

Houve uma intensificação dos estímulos, porque o pessoal do zoo, em Gaia, reparou que os animais estavam a ter mudanças de comportamento, estavam mais calmos e passavam mais tempo quietos.

O Zoológico de Santo Inácio tem 600 animais de 200 espécies. A diretora tem esperança que a reabertura aconteça no dia 5 de abril.