País

Eleições internas do Chega dos Açores marcadas para 1 de maio

EDUARDO COSTA/ LUSA

Líder demissionário disputará o cargo com o outro deputado no parlamento açoriano, José Pacheco.

As eleições internas do Chega/Açores estão marcadas para dia 01 de maio, confirmou esta sexta-feira à Lusa o líder demissionário da estrutura regional, que disputará o cargo com o outro deputado no parlamento açoriano, José Pacheco.

Carlos Furtado apresentou, na sexta-feira, a formalização da sua demissão e esclareceu que se trata "de um procedimento normal" para se poder "fazer a marcação das eleições".

Assim, os militantes do partido decidem dentro de um mês se Carlos Furtado se mantém na liderança, ou se a estrutura regional passará a ser dirigida pelo outro deputado regional e atual secretário-geral, José Pacheco.

Estas eleições surgem depois de, em 14 de março, ter sido tornado público que Furtado apresentara a sua demissão por causa de divergências entre os dois deputados regionais.

A crise regional no partido populista ficou visível com uma mensagem publicada numa página de uma rede social oficial por parte de José Pacheco contra o aumento de beneficiários de RSI verificado naquelas ilhas.

A publicação foi depois apagada pelo líder regional, Carlos Furtado, que escreveu que a direção regional do Chega e o próprio têm "a melhor atenção" aos problemas de "excesso RSI" e o "objetivo de se arranjar soluções eficazes, sendo que neste momento as responsabilidades", que lhes "são imputáveis, não permitem a crítica fácil e populista".

A diminuição dos beneficiários de RSI nos Açores foi uma das ideias-chave defendidas pelo Chega na campanha eleitoral até ao sufrágio de 25 de outubro de 2020 e uma das principais nas negociações com o PSD/Açores, com vista à viabilização do novo Governo Regional, após 24 anos de poder do PS.

Em 15 de março, José Pacheco confirmava à Lusa que seria candidato, assumindo "divergências" com o atual líder regional do partido quanto ao "rumo" do partido na região.

Segundo o deputado, o Chega deve assumir a sua "postura crítica" e não deve ficar "acomodado" nas críticas ao Governo Regional, apesar de o partido suportar o executivo liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro no parlamento açoriano.

"Temos de assumir a nossa faceta de fiscalizar e sermos críticos. Ninguém votou no Chega para ficarmos sossegadinhos", apontou.

O deputado José Pacheco também assinalou as divergências face ao líder regional Carlos Furtado no processo para as eleições autárquicas, defendendo que o Chega deve "apresentar candidaturas em todas as autarquias possíveis".

O secretário-geral do Chega/Açores rejeitou, no entanto, que as divisões internas do partido possam criar instabilidade ao Governo Regional, realçando que "não quer ver o PS a governar" a região.

No mesmo dia, Carlos Furtado esclarecia que o que está em causa "não é bem uma divergência".

"Aliás, se essa divergência existisse, sinceramente, não havia razão de construirmos um projeto juntos, porque obviamente tínhamos um projeto, fizemos um programa eleitoral comum", prosseguiu.

O líder regional do Chega/Açores disse ainda que a estabilidade do Governo Regional, liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro, está assegurada apesar da divisão no partido.

Os dois deputados do Chega, juntamente com o deputado único da Iniciativa Liberal, garantem ao Governo Regional de coligação PSD/CDS-PP/PPM, liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro, um apoio de incidência parlamentar que garante a maioria de 29 assentos na Assembleia Legislativa Regional.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão