País

Morte de Almeida Henriques. Rio e direção do PSD em "grande consternação" e "sentido pesar"

Nacho Doce

Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, morreu este domingo, vítima de covid-19.

O presidente do PSD, Rui Rio, e a sua direção manifestaram "grande consternação" e "sentido pesar" pela morte do presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, aos 59 anos, vítima de covid-19.

"Num ano particularmente difícil para todos os portugueses, é com profundo pesar que os sociais-democratas veem partir Almeida Henriques, um autarca dedicado. A direção do PSD, na figura do seu presidente, expressa a toda a família o seu mais sentido pesar nesta hora", lê-se em nota publicada na página oficial da Internet do maior partido da oposição.

O texto relembra a biografia do advogado, que "dedicou grande parte da sua vida ao serviço público", destacando as suas funções governativas e o "lançamento de programas de política pública como o 'Revitalizar' ou 'Valorizar', na reprogramação estratégica e no avanço da execução do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e na aprovação e implementação do pacote de medidas de apoio às famílias endividadas e de disciplina de práticas bancárias abusivas".

"Almeida Henriques era, desde 2013, presidente da Câmara Municipal de Viseu, cidade onde deixa um legado indelével, tendo mantido sempre uma participação ativa em diversas instituições culturais, sociais e científicas da cidade e da região", lê-se ainda.

Militante social-democrata desde a década de 1980, Almeida Henriques era ainda vice-presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), presidente da secção de 'Smart Cities' (Cidades Inteligentes) da ANMP e presidente do Conselho Geral da Fundação para os Estudos e Formação nas Autarquias Locais (FEFAL).

Foi deputado à Assembleia da República, nas IX, X e XI e XII Legislaturas e vice-presidente do grupo parlamentar do PSD entre 2005 e 2007 e 2010 e 2011.

Participou também no Governo PSD/CDS-PP liderado por Passos Coelho e Paulo Portas como secretário de Estado-Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, entre 2011 e 2013.