País

Detido homem de 55 anos que seduziu várias mulheres nas redes sociais

Tiago Henrique Marques / Lusa

Homem levava as mulheres a entregarem-lhe bens materiais e patrimoniais, sujeitando-as a ofensas corporais graves.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve hoje um homem que terá seduzido várias mulheres, pessoalmente e através das redes sociais, levando-as a entregarem-lhe bens materiais e patrimoniais e sujeitando-as a ofensas corporais graves.

Em comunicado, a PJ revela que a operação, denominada "Amores Imperfeitos" e que contou com a colaboração da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo e da Unidade de Intervenção da GNR, decorreu hoje e envolveu várias buscas a residências e veículos na região de Lisboa e em Mértola, que resultaram na apreensão de armas, viaturas, dinheiro e cartas de condução falsas.

De acordo com a PJ, o suspeito, que tinha antecedentes policiais por crimes de burla qualificada e roubo, terá seduzido, pessoalmente e através das redes sociais, várias mulheres, com promessas de compromisso afetivo.

"Após ganhar a confiança das vítimas, o arguido desenvolvia ações enganosas, levando-as a entregar-lhe bens materiais e patrimoniais e sujeitando-as, posteriormente, a ofensas corporais graves", explica a nota.

Nas buscas às residências foram apreendidas duas armas de fogo e uma réplica, armas brancas, três cartas de condução falsas, três viaturas, duas das quais de gama alta, e ainda uma elevada importância monetária em numerário.

O detido, de 55 anos, vai ser presente ao Tribunal de Beja, para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação adequadas, refere a PJ, acrescentando que as investigações ainda prosseguem.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão