País

Líder do CDS admite dificuldades em manter o partido unido, mas não por falta de esforço da direção

O líder do CDS-PP garante que vai fazer campanha ao lado de Adolfo Mesquita Nunes, na Covilhã, e de João Almeida, em São João da Madeira, sublinhando "a disponibilidade de ambos para serem candidatos autárquicos".

O presidente do CDS admite dificuldades em manter o partido unido mas diz que não é por falta de esforço da atual direção.

Em entrevista à TSF, Francisco Rodrigues dos Santos falou também da corrida autárquica e confirmou que vai fazer campanha ao lado dos críticos internos Afolfo Mesquita Nunes e João Almeida.

Sobre a escolha do número dois do CDS-PP para a autarquia de Lisboa e futuro do atual vereador João Gonçalves Pereira, que quando deixou recentemente o cargo de deputado no Parlamento, disse esperar que o seu partido lhe permita continuar o "combate local" nas autárquicas, Francisco Rodrigues dos Santos começou por responder que "aquele tempo no CDS em que se discutiam pessoas em primeiro lugar em vez dos projetos políticos e das ideias acabou".

Quanto a objetivos futuros, o CDS fixa já para este ano ganhar as mesmas seis câmaras municipais e se possível, conquistar lugar à esquerda.