País

Nas celebrações do dia do trabalhador, a CGTP quer dobrar a lotação do ano passado

ANTÓNIO COTRIM

Já a UGT diz que não vai facilitar.

Nas celebrações do dia do trabalhador, a CGTP quer dobrar a lotação do ano passado, o que significa que em vez de 800, quer 1.600 participantes na Alameda D. Afonso Henriques.

A intersindical também vai promover dois desfiles em Lisboa: um vai partir dos Anjos e outro do Campo Pequeno, em direção ao habitual local da concentração. Haverá ainda concentrações, desfiles e manifestações de rua em todas as capitais de distrito.

Já a UGT diz que não vai facilitar. À semelhança do ano passado, vai assinalar o dia com um debate online. Este ano será sobre a contratação coletiva com dois antigos ministros do PS: Vieira da Silva e Paulo Pedroso.

O secretário-geral da UGT diz que não quer contribuir para aumentar a confusão.