País

Governo mantém Zmar como opção para realojar imigrantes em Odemira

NUNO VEIGA

Solução foi reiterada pelo ministro da Administração Interna.

O Governo mantém o complexo turístico Zmar como uma opção para realojar os imigrantes de Odemira. A solução foi reiterada pelo ministro da Administração Interna.

No final de uma reunião com a equipa que está a gerir a situação no concelho, Eduardo Cabrita sublinhou que a saúde pública esteve na base da decisão.

Segundo o governante, o Zmar “está licenciado como parque de campismo”, que se encontra em “situação de insolvência” e em que “o Estado é o maior credor”.

“É nesse quadro, de uma unidade que está encerrada na sua atividade, que está disponível, ao lado de outras duas unidades”, disse, referindo-se à Pousada da Juventude de Almograve e à Residência de Estudantes de Odemira.

Cerca sanitária. "Temos que manter esta resiliência"

Eduardo Cabrita disse também que as cercas sanitárias às duas freguesias de Odemira - São Teotónio e Longueira/Almograve - estão a surtir efeito, com base nos resultados das últimas duas semanas.

A decisão só deverá ser tomada em Conselho de Ministros, mas o responsável faz antever que o esforço será para continuar.

"Estamos no caminho certo e temos que manter esta resiliência", afirmou.

"A prioridade absoluta é a saúde pública"

Na mesma visita a Odemira, afirmou que o Governo está ciente do problema da imigração ilegal na região, mas que a prioridade é combater a pandemia.

"Neste momento, a prioridade absoluta é a saúde pública", disse.

Referiu ainda que os problemas de "habitação e de modelo económico da região" não serão resolvidos em "uma ou duas semanas".