País

Recluso que fugiu da cadeia de Aveiro entregou-se

Canva

Encontrava-se em prisão preventiva a aguardar julgamento por crimes de roubo e coação.

O recluso que fugiu no domingo do Estabelecimento Prisional de Aveiro entregou-se na quinta-feira na prisão de Vale do Sousa, em Paços de Ferreira, no distrito do Porto, informou esta sexta-feira a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

Numa nota enviada à agência Lusa, a DGRSP informa que "o recluso que se evadiu do estabelecimento prisional de Aveiro se encontra novamente no sistema prisional, na sequência de apresentação voluntária, feita dia 6 de maio no Estabelecimento Prisional de Vale do Sousa".

De acordo com a DGRSP, o recluso evadiu-se na tarde de domingo, 02 de maio, do Estabelecimento Prisional de Aveiro, onde se encontrava em prisão preventiva a aguardar julgamento por crimes de roubo e coação.

O recluso é o homem que, em dezembro do ano passado, sequestrou um taxista no Fundão, distrito de Castelo Branco, e, sob ameaça de uma caçadeira e de uma faca, obrigou o motorista a dirigir-se para Braga.

O táxi acabou por ser intercetado, na madrugada de 24 de dezembro, por militares da GNR na zona de Aveiro, quando seguia na Autoestrada 25 (A25).

A bordo da viatura seguia um outro homem e a mulher do fugitivo, ambos em prisão preventiva, e uma menina de dois anos, filha da detida e do recluso que estava em fuga.

Internamente está a decorrer, a cargo do Serviço de Auditoria e Inspeção Centro, coordenado por um Procurador da República, processo de inquérito para apurar as circunstâncias em que ocorreu a fuga.

Na quarta-feira, o Sindicato do Corpo da Guarda Prisional alertou para a insuficiência de efetivos, adiantando que faltam 820 destes profissionais para "garantir a segurança e o bom funcionamento" das prisões.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o sindicato acrescenta que, apesar do mapa de pessoal da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) "prever 4.977 lugares para o Corpo da Guarda Prisional, facto é que, atualmente, só 4.177 lugares estão preenchidos, sendo que, destes, nem todos estão afetos a funções diretamente ligadas aos reclusos".

"Tal realidade diminui significativamente o rácio guardas/reclusos. Ou seja, os nossos Estabelecimentos Prisionais estão a funcionar com 820 guardas a menos, facto que condiciona e dificulta gravemente o cumprimento da missão dos guardas prisionais, além de acentuar o risco inerente à profissão", adverte o Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, presidido por Carlos Sousa.

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro