País

Beira Interior, Lisboa, Alentejo e Algarve com concentrações muito elevadas de pólen

Canva

Crianças e adultos alérgicos aos pólenes devem evitar a exposição às substâncias que causam alergia.

As regiões da Beira Interior, Lisboa, Alentejo e Algarve registam concentrações muito elevadas de pólenes na atmosfera durante os próximos dias, segundo o Boletim Polínico divulgado esta segunda-feira pela Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

De acordo com as previsões até ao dia 13 de maio, a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica alerta que, devido uma maior concentração de pólenes na atmosfera, as crianças e adultos alérgicos aos pólenes devem evitar a exposição às substâncias que causam alergia.

Nestes dias, os pólenes encontram-se em níveis muito elevados nas regiões de Castelo Branco, Lisboa, Évora e Faro, predominado os pólenes das árvores oliveira, pinheiro e sobreiro, e das ervas gramíneas, parietária, tanchagem, urtiga, azeda e quenopódio.

Já em Vila Real (região de Trás-os-Montes e Alto Douro), no Porto (região de Entre Douro e Minho) e em Coimbra (região da Beira Litoral) os pólenes estão com níveis moderados, dominando os das árvores sobreiro e outros carvalhos, pinheiro e oliveira, e das ervas gramíneas, parietária e urtiga.

Na região autónoma da Madeira os pólenes encontram-se em níveis baixos, com destaque para os pólenes das árvores pinheiro, cipreste e eucalipto e das ervas parietária e gramíneas, bem como nos Açores, onde predominam os pólenes das ervas urtiga, parietária e gramíneas, e da árvore pinheiro.

O Boletim Polínico efetua a divulgação semanal dos níveis de pólenes existentes na atmosfera recolhidos através da leitura de postos em várias regiões do país.

Fundada a 10 de julho de 1950 como Sociedade Portuguesa de Alergia, a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica agrega especialistas médicos, principalmente imunoalergologistas, investigadores e técnicos dedicados ao estudo da alergia, asma e imunologia clínica.