País

Rio admite aceitar o apoio da extrema-direita mas com linhas vermelhas

André Ventura admite acordos, mas avisa que Chega não mudará.

Num evento online da JSD, Rui Rio disse que a luta contra os ideais mais radicais tem de ser feita através da integração, quando questionado sobre a ética no acordo com o Chega nos Açores e na escolha de Suzana Garcia como candidata à Câmara Municipal da Amadora.

O líder do PSD respondeu o mesmo de sempre, mas a insistência de um dos militantes fez Rio mostrar a estratégia para lidar com a extrema-direita.

"Cabe aceitar esses votos desde que tudo o que eles possam querer fazer não fira as linhas vermelhas de cada partido. A tendência de que quanto mais os encurralarem, a tendência vai ser para eles subirem mais ainda. Coisa diferente é não ostracizar, mas nunca permitir que ultrapassem a linha vermelha, que é aquilo que está a ser feito", disse Rio.

À SIC, André Ventura admite um acordo, mas garante que o Chega será o mesmo.

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro