País

Trabalhadores das cantinas e refeitórios em greve

Canva

Além da greve nacional, estão previstas várias concentrações de protesto.

Os trabalhadores das cantinas, refeitórios, fábricas de refeições e bares concessionados estão esta segunda-feira em greve por aumentos salariais e pela negociação do contrato coletivo, segundo a Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT).

Além da greve nacional, estão previstas concentrações de protesto junto da sede e das várias delegações da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), em Lisboa, Porto, Coimbra e Albufeira.

A concentração em Lisboa contará com a presença da secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha.

Em causa estão "aumentos salariais dignos e justos para 2021, na defesa dos direitos e pela negociação do contrato coletivo de trabalho", segundo um comunicado da CGTP.

De acordo com a intersindical, "a associação patronal AHRESP tem vindo a arrastar o processo negocial do contrato coletivo de trabalho das cantinas, refeitórios, fábricas de refeições e bares concessionados há muitos anos".

"A AHRESP insiste em retirar direitos a estes trabalhadores, designadamente o subsídio noturno, pretendendo também impor horário de 12 horas diárias, introduzir categorias profissionais que visam promover a polivalência de funções e outras alterações ao contrato coletivo atual", afirma a CGTP.

A intersindical acusa a associação patronal de querer "manter uma politica de salários baixos", salientando que estes trabalhadores recebiam "muito acima do salário mínimo nacional na última tabela salarial negociada e assinada pela FESAHT", mas que hoje "a esmagadora maioria" recebe apenas o salário mínimo.