País

Investigador português Nuno Maulide eleito membro permanente da Academia de Ciências da Áustria

Miriam Alves

Miriam Alves

Jornalista Grande Reportagem SIC

Depois de ter sido eleito Cientista do Ano na Áustria em 2019, o investigador português de 41 anos torna-se agora o mais novo membro permanente e o único estrangeiro fora dos países germanófonos a integrar a Academia de Ciências Austríaca.

"Representa uma enorme honra, sobretudo tendo em conta a minha idade", resume à SIC o único investigador que não tem o alemão como língua materna a integrar a lista de 90 membros permanentes. "É um reconhecimento não apenas do trabalho científico de grande valor que a minha equipa tem vindo a realizar, mas também do impacto e presença que temos atualmente na paisagem de investigação científica na Áustria. A Química era tradicionalmente uma disciplina com reduzido peso no país e penso que temos dado um pequeno contributo para ajudar a mudar o status quo".

Nascido em Lisboa em 1979, Nuno Maulide é investigador e professor catedrático na Universidade de Viena desde 2013. É também professor catedrático convidado do Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB) da Universidade Nova de Lisboa.

Em 2019 recebeu o prémio Ignaz Lieben, a mais antiga distinção atribuída a cientistas a trabalhar na Áustria. Considerado o Nobel austríaco, o prémio Lieben é atribuído pela Academia de Ciências da Áustria, que destacou os "contributos excecionais" de Nuno Maulide para o desenvolvimento de novos mecanismos de reação em química orgânica. Que podem, por exemplo, abrir caminho à produção de novos medicamentos, mais ajustados às necessidades dos doentes.

Nuno Maulide é um dos mais respeitados divulgadores de ciência na Áustria. Em 2019 foi eleito Cientista do Ano pelo Clube de Jornalistas de Ciência e Educação austríaco. Foi o primeiro químico a receber esta distinção atribuída desde 1994. Já foi também distinguido com três disputadas bolsas do Conselho Europeu de Investigação.

Dedica-se a repensar a química de síntese, que está na origem de quase tudo o que usamos. Quer "retirar-lhe lixo" e torná-la mais sustentável.

É também pianista amador e encontra "ligações infinitas entre a ciência e a música". Por exemplo: "Reproduzir em laboratório produtos criados pela Natureza ao longo de milhões de anos é comparável a compôr uma sinfonia".

No terceiro episódio do Admirável Mundo Novo falámos com Nuno Maulide, que agora pode ser visto em exclusivo e na íntegra na OPTO.

Veja também: