País

Vereador do CDS diz que Medina pode não ter sido informado sobre partilha de dados

João Gonçalves Pereira defende abertura de um inquérito.

O vereador do CDS na Câmara de Lisboa afirmou esta sexta-feira que tem de ser aberto um inquérito na sequência de partilha de dados de ativistas russos com a embaixada da Rússia.

João Gonçalves Pereira admitiu que Fernando Medina não soubesse do envio de dados de ativistas para as embaixadas. Na quinta-feira, o líder dos centristas sustentou que a partilha de dados "representa um ato de terrorismo político e subserviência".

MEDINA PEDE DESCULPA E RECUSA DEMITIR-SE

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, explicou que "o erro resultou de um funcionamento burocrático dos serviços que aplicaram nesta manifestação aquilo que aplicam à generalidade das dezenas de manifestações que acontecem no município".

Segundo Medina, foi aplicado o procedimento normal que se aplica em todas as manifestações desde 2011, quando foram extintos os governos civis e as competências passaram para as câmaras municipais.

O presidente da câmara de Lisboa disse também que a câmara de Lisboa "já tirou consequências desta situação" e alterou procedimentos.