País

CPCJ de Idanha-a-Nova acompanha caso de Noah

Criança de dois anos e meio esteve desaparecida durante 36 horas, em Proença-a-Velha.

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Idanha-a-Nova está a acompanhar o caso de Noah.

A situação está a ser analisada em conjunto com as autoridades judiciais.

A presidente da CPCJ de Idanha-a-Nova, Ivone Rente, diz que o envolvimento da comunidade local, voluntários e das autoridades foi essencial para o desfecho do caso.

Segundo o Hospital de Castelo Branco, a criança está livre de perigo, mas vai continuar internada.

Noah esteve desaparecido durante 36 horas, em Proença-a-Velha. Desapareceu de casa na quarta-feira de manhã, acompanhado da cadela. Foi encontrado com vida na quinta-feira, ao final do dia.

O percurso que Noah terá percorrido

Noah terá percorrido cerca de 10 quilómetros, em terreno muito difícil. Até as pessoas da terra acham praticamente impossível que esse percurso tenha sido feito por uma criança de dois anos, descalça, como nos relata agora a repórter da SIC Patrícia Figueiredo.

Para chegar ao local onde foi encontrada a t-shirt da criança, Noah teve de percorrer cerca de dois quilómetros e atravessar o rio Torto, com zonas com mais ou menos profundidade.

Até ao local onde foi encontrado teve de atravessar uma vasta área de muito mato e de grandes declives e um pequeno ribeiro com muitas pedras.

"É muito complicado acreditarmos que uma criança chega aqui a andar e descalça", conta um popular à SIC.

Avó e mãe de Noah tiveram "imensa fé, sabiam a educação que tinham dado e a força que o miúdo tinha"

Uma moradora de Proença-a-Velha, Manuela Lopes Silva, vizinha dos pais de Noah, realça a força e união da família.

"À tarde juntei-me à mãe. A avó passa por mim e eu senti-me incapaz de poder ajudar. Elas tiveram sempre uma atitude super positiva. Tinham imensa fé e sabiam a educação que tinham dado e a força que o miúdo tinha", conta a moradora de Proença-a-Velha.

Veja também: