País

Noah saiu do hospital esta segunda-feira

Estava hospitalizado desde quinta-feira.

Noah, o menino de dois anos que desapareceu em Proença-a-Velha, recebeu esta segunda-feira alta hospitalar.

Numa declaração aos jornalistas, depois das 14:30, a médica Eugénia André disse que o pequeno Noah "está clinicamente bem para ter alta" e que no domingo e sábado "brincou e nunca esteve deitado".

"Uma equipa multidisciplinar, com pediatra, assistente social e psicólogas reuniram hoje com os pais e o planeamento da alta foi feito", disse.

Segundo a diretora clínica, "nos períodos em que não esteve a fazer soro e a dormitar, a criança andou pela enfermaria, efetuou jogos, brincou e comportou-se de forma muito normal e muito feliz".

Eugénia André disse que criança "já leva todas as suas consultas para o acompanhamento futuro" e destacou ainda o ótimo relacionamento do pequeno Noah com os pais e a irmã. Confirmou ainda que a família vai continuar a ser acompanhada.

O caso de Noah

A criança deu entrada no Hospital Amato Lusitano na quinta-feira à noite "consciente, lúcida e bem-disposta", apresentando um quadro de quadro de desidratação, devido ao longo período em que esteve sozinha.

Tinha desaparecido na quarta-feira da casa dos pais, situada a cerca de 1,5 quilómetros do núcleo central da localidade de Proença-a-Velha, concelho de Idanha-a-Nova, e esteve desaparecido durante mais de 30 horas.

A Polícia Judiciária da Guarda acredita que Noah só passou uma vez o rio e que a deriva da criança de seguiu quase sempre estradões no meio da floresta.

É a explicação mais compatível com a descoberta do menino, que sobreviveu a mais de 30 horas ao relento, em Proença-a-Velha.

O resto fica por conta de um modo de vida alternativo numa aldeia da Beira Baixa.