País

Risco máximo de incêndios em 10 concelhos de Faro, Santarém, Portalegre e Castelo Branco

PAULO CUNHA

Devido à previsão de tempo quente para os próximos dias, o risco de incêndio vai intensificar-se em algumas regiões do continente pelo menos até terça-feira.

Dez concelhos dos distritos de Faro, Santarém, Portalegre e Castelo Branco apresentam hoje um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Loulé, São Brás de Alportel e Tavira (Faro), Tomar, Sardoal e Mação (Santarém), Gavião e Nisa (Portalegre), Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão (Castelo Branco).

O IPMA colocou também mais de 40 concelhos dos distritos de Faro, Beja, Santarém, Portalegre, Castelo Branco, Viseu e Guarda em risco muito elevado de incêndio.

Mais de 80 concelhos dos distritos de Faro, Évora, Beja, Portalegre, Lisboa, Santarém, Leiria, Castelo Branco, Guarda, Coimbra, Viseu, Vila Real e Bragança estão hoje em risco elevado de incêndio.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

Os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Previsão do tempo para esta sexta-feira

O IPMA prevê para o continente céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no litoral Centro até início da manhã e subida da temperatura, em especial da máxima.

A previsão aponta ainda para vento fraco a moderado, soprando moderado a forte nas terras altas do Centro e Sul até início da manhã e a partir do meio da tarde e na faixa costeira ocidental.

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 12 graus Celsius (em Coimbra, Bragança, Porto, Braga e Viana do Castelo) e os 20 (em Portalegre) e as máximas entre os 24 (em Aveiro e no Porto) e os 37 (em Évora e Santarém).

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro