País

Pena suspensa para homem de 74 anos acusado de tentar matar cunhado em Águeda

Tinham divergências relacionadas com partilhas.

O Tribunal de Aveiro condenou esta quarta-feira a três anos e meio de prisão, pena suspensa na sua execução, um homem de 74 anos que estava acusado de tentar matar um cunhado, com quem tinha divergências relacionadas com as partilhas dos sogros.

A pena única aplicada resulta do cúmulo jurídico das condenações pelos crimes de homicídio na forma tentada, ofensa à integridade física, igualmente tentada, e detenção de arma proibida.

O arguido estava ainda acusado de coação e ofensa à integridade física, mas foi absolvido destes crimes.

O que pesou na pena

Na medida da pena pesou a idade avançada do arguido, a ausência de antecedentes criminais e o facto de tratar-se de crimes na forma tentada.

Após a leitura do acórdão, o juiz presidente dirigiu-se ao arguido, censurando o seu comportamento ao atentar contra a vida do cunhado, e defendeu que "os problemas familiares não se resolvem desta forma".

"Se a pistola não tivesse encravado, estávamos aqui a discutir penas de 15 ou 20 anos e uma vida destruída. Esperamos que reflita sobre isso", observou o magistrado.

Durante o julgamento, o arguido negou todas as acusações, nomeadamente os disparos e inclusive a posse da arma que viria a ser apreendida pela Polícia Judiciária, na sua residência.

Factos remontam a abril de 2014

Os factos remontam a abril de 2014 quando o homem, ao passar de carro com a esposa, encontrou o familiar na companhia de um outro indivíduo na propriedade dos falecidos sogros, em Águeda, a fazer trabalhos de limpeza, após a mudança das fechaduras da casa.

Segundo a acusação, o septuagenário saiu da viatura e foi ao encontro do cunhado munido com uma pistola, tendo apertado o gatilho, mas sem deflagrar qualquer munição.

Quando se encontrava mais próximo do cunhado, o arguido apontou-lhe a arma ao peito e tentou efetuar novamente um disparo, sem sucesso.

A arma só terá desencravado num disparo sem alvo feito quando regressava ao carro.

Ainda segundo a acusação, o arguido terá arremessado um tubo de ferro que atingiu o ofendido numa perna e feito ameaças de morte, antes de entrar na viatura. Ao abandonar o local, ainda terá tentado atropelar o outro indivíduo quando este ligou para a Polícia.