País

Mais de metade dos bebés nascidos no último ano foram amamentados na 1.ª hora de vida

Canva

De acordo com os dados divulgados pelo Consórcio Português de Dados Obstétricos, nos últimos 12 meses nasceram mais de 21.300 bebés, 11.788 dos quais foram amamentados na primeira hora de vida (55,3%) e 12.554 (58,5%) tiveram contacto pele-a-pele de imediato.

Mais de metade dos bebés nascidos no último ano nos maiores hospitais portugueses foram amamentados na primeira hora de vida e 58,8% tiveram um contacto pele-a-pele com a mãe logo após o nascimento, segundo dados divulgados esta quinta-feira.

Os dados são do Consórcio Português de Dados Obstétricos (CPDO), que congrega 13 serviços de obstetrícia e ginecologia dos maiores hospitais portugueses, e mostram também que o índice de massa corporal médio das grávidas está acima do peso normal (25,2), que cerca de 3.000 mulheres que deram à luz nos últimos 12 meses sofriam de obesidade (IMC maior do que 30) e mais de 7.500 tinham IMC superior a 25 (pré-obesidade).

"Durante a pandemia houve dúvidas sobre se estava a haver mais ou menos nascimentos, ou mais grávidas com diabetes, e não tínhamos esses dados. Aqui temos dados que não são exatamente do dia, mas no final do mês já conseguimos ter essa visão", explicou à agência Lusa Diogo Ayres de Campos, diretor do serviço de obstetrícia do Centro Hospital de Lisboa Norte.

Segundo disse, com esta iniciativa será possível ter acesso a dados que, além de mais atuais - o INE só os divulga no ano seguinte - são mais pormenorizados e rigorosos.

Ayres de Campos, que pertence à Comissão Científica Instaladora do CPDO, explicou ainda que o programa de registos clínicos (Obscare) usado pelos hospitais que integram o consórcio foi criado em 2002, no Hospital de São João, e foi-se estendendo pelo país.

"Neste momento, a grande maioria dos hospitais universitários já o têm e muitos hospitais não universitários também", acrescentou o especialista, sublinhando que "como os registos do que se passa na gravidez são feitos neste programa ele acaba por agregar muitos dados".

Além de ajudar a ver a realidade de forma mais pormenorizada, atual e rigorosa, este projeto pretende ainda ajudar a promover a investigação multicêntrica nacional.

Entre os membros do consórcio contam-se os serviços de obstetrícia do Centro Hospitalar Universitário São João, Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central e os de obstetrícia/ginecologia do Centro Hospitalar do Baixo Vouga, Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, Centro Hospital Vila Nova de Gaia/Espinho e do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, entre outros.

De acordo com os dados divulgados, nos últimos 12 meses nasceram mais de 21.300 bebés (1.804 este mês), 11.788 dos quais foram amamentados na primeira hora de vida (55,3%) e 12.554 (58,5%) tiveram contacto pele-a-pele de imediato. Do total de nascimentos, foram registados neste programa 1.887 bebés pré-termo (antes das 37 semanas de gestação).

A idade média das grávidas no último ano foi de 31,3 anos (31,5 no mês passado) e, nos últimos 12 meses, houve mais de 100 mulheres acima dos 45 anos a serem mães (10 casos em junho) e mais de 1.500 acima dos 40 anos.

Quanto aos antecedentes/comorbilidades das grávidas, os dados mostram que quase 2.000 grávidas eram fumadoras, mais de 200 reportaram casos de alcoolismo recente e 31 de toxicodependência recente.

Revelam ainda que, dos 21.324 nascimentos no último ano (1.804 em junho), 21.301 ocorreram no hospital, 30 no domicílio (três em junho) e 15 em transporte pré-hospitalar.

No último ano, 14.428 dos partos foram vaginais (taxa de episiotomias de 39,6) e 6.503 por cesariana (taxa global de 31,07). Foram ainda registados 860 partos vaginais após cesariana.

Os dados disponibilizados pelo Consórcio Português de Dados Obstétricos podem ser consultados no endereço https://cpdo.virtualcare.pt/.