País

Advogado diz que vídeo prova ato consensual entre portugueses e jovens espanholas

Dois portugueses ficaram em prisão preventiva.

Ficaram em prisão preventiva dois dos quatro portugueses acusados de violação em Espanha. Os outros dois ficaram em liberdade, mas proibidos de contactar as vítimas.

O advogado de defesa diz que o que aconteceu foi consensual e que as mulheres não estão a dizer a verdade, pedindo a libertação dos dois arguidos.

A SIC apurou que os quatro jovens são de Braga e não têm antecedentes criminais. O grupo esteve de férias em várias cidades espanholas (Bilbau e Valladolid), sendo Gijón a última paragem antes do regresso a Portugal.

Ontem, os quatro portugueses foram ouvidos pela juíza responsável pelo caso e negaram todas as acusações, garantindo ter provas de que o sexo foi consentido. Já as jovens espanholas, de 22 e 23 anos, contaram às autoridades que foram agredidas e forçadas a ter relação sexuais num quarto de uma pensão.

Os médicos não terão registado qualquer lesão ginecológica ou sinais de violência física nas duas jovens.