País

Marroquinos condenados por motim no aeroporto do Porto já estão em liberdade

Têm agora 10 dias para abandonar o país, mas as autoridades já lhes perderam o rasto.

Os quatro marroquinos condenados por motim nas instalações temporárias do aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, já estão em liberdade depois de um ano de prisão em Custóias. Têm agora 10 dias para abandonar o país, mas a SIC sabe que não têm documentos e as autoridades já lhes perderam o rasto.

Foram intercetados pela Polícia Marítima quando desembarcavam numa praia de Loulé, no Algarve, em junho de 2020. Foram colocados no centro de acolhimento temporário no aeroporto do Porto, onde acabaram por originar um motim, destruindo portas, vidros e equipamentos que obrigaram ao encerramento provisório das instalações.

Viriam a ser detidos e sujeitos a prisão preventiva por perigo de fuga, de perturbação do inquérito e de continuação da atividade criminosa. Foram indiciados pelos crimes de motim, sequestro, dano qualificado e ameaça e coação a funcionário.

Em abril foram condenados, mas apenas por motim de presos, com penas até dois anos e dois meses de prisão na cadeia de Custóias, de onde saíram em liberdade condicional esta quarta-feira, por ordem do Tribunal da Relação do Porto.

Foram colocados sob custódia do SEF ao abrigo de um processo administrativo que os obriga a abandonar o território nacional no prazo máximo de 10 dias. A SIC sabe que não têm quaisquer documentos e, assim, as autoridades não têm forma de confirmar se vão ou não cumprir a ordem de expulsão do país.

Os quatro homens permanecem nesta altura em parte incerta.