País

"A minha bíblia é cada vez mais a 'Cozinha Tradicional Portuguesa' da Maria de Lourdes Modesto"

Entrevista SIC Notícias

Henrique Sá Pessoa falou com a SIC Notícias após integrar a lista dos 100 melhores chefs.

O português Henrique Sá Pessoa ficou classificado em 38.º lugar, a maior entrada na tabela dos 100 distinguidos na lista dos "The Best Chef Awards", cujo primeiro lugar foi atribuído ao espanhol Dabiz Muñoz.

Além de Sá Pessoa, que entra pela primeira vez neste ranking e arrecada simultaneamente o prémio de "melhor entrada", José Avillez é o outro cozinheiro português na lista, desta vez em 44.º lugar, uma subida face à 70.ª posição da edição de 2020.

Os prémios foram anunciados esta noite, numa cerimónia em Amesterdão, em que participou presencialmente Sá Pessoa, "chef" do "Alma", restaurante com duas estrelas Michelin e de outros restaurantes em Portugal e também um em Macau.

Ao receber a distinção, o português destacou o significado de receber este prémio em Amesterdão, revelando que se prepara para abrir, em novembro, um novo restaurante, o "ARCA", na capital dos Países Baixos.

Sá Pessoa conta que recebeu a notícia com surpresa.

"Não estava à espera. Eu sabia que estava nomeado e tinha esperança de entrar na lista, mas não esperava que fosse uma entrada tão boa como foi", disse o chef, esta sexta-feira, na Edição da Manhã da SIC Notícias.

"Têm sido dois anos muito difíceis na restauração e este prémio vem dar um bocado de alento, principalmente para as equipas que estão ao meu lado todos os dias", sublinhou.

Sá Pessoa admite que hoje em dia, nos pratos que cria, é cada vez mais influenciado pela gastronomia tradicional. "A minha bíblia é cada vez mais a 'Cozinha Tradicional Portuguesa' da Maria de Lourdes Modesto", afirma.

"O meu restaurante é visitado por muitos estrangeiros e eu quero mostrar o que Portugal tem de bom", disse à SIC Notícias.

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia