País

Governo admite ajustes na "Casa Aberta" para renovar cartão de cidadão

SIC

A secretária de Estado da Modernização Administrativa fez um balanço positivo da medida.

Maria de Fátima Fonseca, secretária de Estado da Modernização Administrativa, fez este sábado um balanço "satisfatório" do primeiro dia da "Casa Aberta" para renovar cartão de cidadão e passaporte, mas admitiu ajustamentos nos próximos sábados nas lojas onde a procura for maior.

"Em termos globais, penso que é satisfatório o balanço que podemos fazer neste momento porque as pessoas aderiram e estão a resolver os seus problemas", disse Maria de Fátima Fonseca, em declarações à Lusa, cerca das 16:00, quando ainda decorre o primeiro sábado dos oito da modalidade "Casa Aberta".

A chamada modalidade "Casa Aberta" consiste em manter durante hoje e nos próximos sete sábados algumas Lojas do Cidadão abertas com um horário alargado, entre as 09:00 e as 22:00, para levantamento e renovação do cartão de cidadão ou do passaporte.

A medida visa ajudar a regularizar os casos em atraso até ao final do mês e recuperar algum do tempo perdido devido ao encerramento das Lojas do Cidadão por causa da pandemia da covid-19.

Apesar do descontentamento registado esta manhã pela Lusa na loja das Laranjeiras, em Lisboa, devido à grande afluência de pessoas e à falta de senhas que esgotaram antes do meio-dia, a secretária de Estado Maria de Fátima Fonseca fez um balanço positivo da medida e indicou que serão feitos ajustamentos nos casos em que isso for necessário.

"Estamos a avaliar muito de perto todas as situações que vão acontecendo em todas as lojas e em que medida poderemos eventualmente afinar a nossa capacidade de resposta, procedendo a alguns pequenos ajustes, se for o caso, nas semanas subsequentes", afirmou a secretária de Estado.

"Obviamente que não seria razoável supor que as lojas teriam capacidade ilimitada" e portanto o sistema de atendimento está organizado por senhas, disse a governante.

A secretária de Estado considerou que "as senhas não esgotaram com rapidez" mas foram sim "ficando indisponíveis" ao longo do dia em algumas lojas, como é o caso das lojas da Grande Lisboa e na zona do Porto.

Maria de Fátima Fonseca recordou que os utentes que pretendem renovar os documentos podem optar pelas senhas 'online'.

"O que nós estamos a recomendar é que de facto as pessoas acedam o mais possível à senha 'online' que está disponível no mapa cidadão onde aliás também podem verificar a disponibilidade de senhas em cada uma das lojas que fazem parte desta operação", realçou.

Este sábado de manhã, por volta das 11:00, o sentimento geral junto à Loja do Cidadão das Laranjeiras, em Lisboa, era de descontentamento, com as pessoas que chegavam por volta daquela hora a depararem-se com a impossibilidade de tratar dos documentos, por já não haver senhas, constatou a Lusa no local.

A modalidade "Casa Aberta" vai estar disponível em quatro lojas na área de Lisboa -- Laranjeiras, Saldanha, Marvila e Odivelas --, duas na área do Porto -- Porto e Vila Nova de Gaia --, e em Coimbra, Braga e Faro, além dos balcões de atendimento ao público do Instituto de Registos e Notariado (IRN), no Campus da Justiça de Lisboa.

► Veja mais: