País

Câmara de Oeiras contrata empresa de ex-espião por 39.000 euros

Exclusivo SIC

Diogo Torres

Diogo Torres

Jornalista

A contratação serve para investigar alegada desinformação nas redes sociais dos habitantes de Oeiras.

A Câmara de Oeiras contratou uma empresa do antigo espião Jorge Silva Carvalho e de um inspetor da Polícia Judiciária em licença sem vencimento. O contrato a que a SIC teve acesso, serve para investigar a alegada desinformação nas redes sociais dos habitantes de Oeiras, através de inteligência artificial.

O antigo diretor do Serviço de informação Estratégicas de Defesa, conhecido como "super-espião", Silva Carvalho passou de discreto a rosto conhecido, quando se tornou no principal arguido do processo das Secretas.

Jorge Silva Carvalho foi condenado em 2016 a uma pena suspensa de quatro anos e meio, por violação do segredo de Estado, acesso ilegítimo a dados pessoais, abuso de poder e devassa da vida privada por meio informático.

Hoje, apresenta-se como autor, colunista de um jornal económico e sócio de empresas, uma delas, a Jupiter Wisdom.

A empresa Jupiter Wisdom foi contratada pela Câmara de Oeiras. No contrato, a que a SIC teve acesso, a contratação teve como objetivo avaliar as políticas públicas que incidam sobre a informação e desinformação encontrada ou disseminada nas redes sociais.

O contrato com duração de um ano, celebrado a 30 de agosto, prevê o pagamento de 39.000 euros, divididos em tranches mensais de 3.250 euros.

José Pancadas Figueiredo, sócio de Silva Carvalho, na empresa, é o nome que surge no contrato assinado com a Câmara. O inspetor da Judiciária desde 2003 pediu, ao fim de 15 anos, licença sem vencimento durante três anos, que terá terminado a 17 de setembro.

À SIC, a Polícia Judiciária diz que o inspetor já se apresentou ao trabalho, menos de um mês após a assinatura do contrato com a Câmara de Oeiras.

A autarquia explica à SIC que a empresa foi contratada por estar preocupada com a queda sucessiva de Oeiras nos rankings que avaliam municípios quanto à capacidade de captação de empresas e negócios.

A Câmara adianta que o contrato serve para perceber as queixas dos municípios nas redes sociais e que a contratação é "uma mais valia".

Isaltino Morais não quis dar entrevista, enquanto não tomasse posse novamente como presidente da Câmara.

Jorge Silva Carvalho não respondeu à SIC.

VEJA TAMBÉM:

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros