País

Detido o quarto suspeito do homicídio no Metro das Laranjeiras

Detidos têm idades entre os 18 e os 19 anos. Vão ser presentes esta sexta-feira a tribunal.

Foram detidos quatro dos envolvidos no homicídio de um rapaz de 19 anos na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. A operação continua e novas detenções podem ser feitas nos próximos dias.

As autoridades suspeitam de um ajuste de contas entre grupos rivais dos bairros Casal da Mira e Cova da Moura, ambos do concelho da Amadora. A SIC esteve nos bairros esta quinta-feira, mas ninguém quis falar do caso com medo de represálias.

Um dos quatro jovens agora detidos numa operação da Polícia Judiciária é suspeito também, segundo o que a SIC apurou, de um outro homicídio cuja investigação ainda decorre. Tem antecedentes criminais relacionados com furtos e pelo menos uma detenção. Foi capturado depois de analisadas ao pormenor as imagens de videovigilância do metro das Laranjeiras.

O crime ocorreu às 13:17 de quarta-feira, na Linha Azul, que funciona entre Santa Apolónia e a Reboleira.

Autoridades admitem mais detenções nas próximas horas

Para já, são quatro com idades entre os 18 e os 19 anos. Alguns são estudantes, mas as autoridades admitem mais detenções nas próximas horas. Pelo menos mais um já está identificado e encontra-se em fuga.

"Há a possibilidade de um ou mais coautores. É nesse quadro que estamos a trabalhar", referiu o coordenador de Investigação Criminal da PJ, Pedro Maia, sublinhando que situações como estas são "potenciadas pelas redes sociais e pelo conteúdo mais provocador do que é publicado".

No local do crime terão recolhido provas sólidas do envolvimento dos suspeitos na morte da vítima, também com antecedentes criminais. Foi esfaqueada no pescoço e no abdómen.

Vários utentes do metro foram testemunhas e foram interrogados pela Polícia Judiciária.

Veja também:

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias