País

Nova ala pediátrica do hospital de São João no Porto recebeu as primeiras 21 crianças

NurPhoto

A primeira utente a dar entrada neste edifício foi uma bebé de um mês.

A nova ala pediátrica do Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto, cuja construção arrancou em outubro de 2019 e deverá estar concluída nas próximas semanas, recebeu esta terça-feira as primeiras 21 crianças, anunciou esta unidade de saúde.

"A área de internamento da nova ala pediátrica, no piso 2, já finalizada e equipada, acolheu estas primeiras crianças internadas e os seus familiares", adiantou o São João, em comunicado.

Ao longo deste mês, e de forma progressiva, todas as crianças dos vários serviços pediátricos serão transferidas até à nova ala pediátrica funcionar em pleno, referiu.

A primeira utente a dar entrada neste edifício foi uma bebé de um mês, revelou.

"Este dia 16 de novembro representa um momento histórico para a instituição e para a região, numa exigente caminhada de resiliência com mais de uma década", disse o presidente do Conselho de Administração, Fernando Araújo, citado na nota de imprensa.

Fernando Araújo acrescenta que a nova ala pediátrica do São João não é mais um sonho, é uma realidade que já se encontra a funcionar com atividade clínica.

A obra da nova ala pediátrica deverá estar totalmente concluída nas próximas semanas, cumprindo o calendário e o orçamento, ressalvou o centro hospitalar. O projeto está orçamentada em aproximadamente 25 milhões de euros e terá capacidade para cerca de 100 camas.

Entre outras valências, neste novo equipamento será instalada a primeira unidade de queimados pediátrica do Norte. Somam-se valências como a cardiologia pediátrica, cirurgia cardíaca e de intervenção, oncologia pediátrica, grande trauma e resposta a doentes neurocríticos.

Esta obra, que arrancou em 1 de outubro de 2019, está a cargo da empresa Casais - Engenharia e Construção, S. A., tendo o projeto sido elaborado pela empresa Aripa Arquitetos. A ala pediátrica terá cinco pisos e mais dois subterrâneos.

Dada a urgência da construção deste projeto, a Lei do Orçamento do Estado para 2019 autorizou o centro hospitalar a recorrer ao procedimento de ajuste direto na contratação da empreitada.

SAIBA MAIS: