País

O que são e como vivem os biofilmes?

Loading...
Financiamento de 2,5 M€ vai permitir à FEUP estudar estes microrganismos que podem tornar possível o controlo da legionella, de feridas crónicas e até de cáries.

A Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) ganhou um financiamento europeu de 2,5 milhões de euros para estudar os chamados biofilmes, microrganismos que podem abrir a porta para o controlo, por exemplo, da legionella, de feridas crónicas e até de cáries.

A ideia não é apenas estudar os microrganismos isolados. É sobretudo compreender como vivem em sociedade, como interagem, como se organizam entre si e como comunicam. No fundo, conhecer a cidade onde vivem

Estas cidades de microrganismos envolvem-se numa matriz protetora para sobreviverem e protegerem-se do meio ambiente. Existem nas canalizações, tubagens e até no corpo humano, as cáries são disso exemplo.

A FEUP ganhou agora um financiamento para estudar os biofilmes e parte do projecto dirige-se ao estudo da legionella nas torres de arrefecimento.

Se a equipa de investigadores conseguir perceber o que torna a legionella mais infecciosa ou o que a leva a libertar-se dos biofilmes está a um passo de diminuir os riscos de novos surtos.

Dados mais recentes apontam para que 65% das infeções microbianas e 80% das infeções crónicas estejam associadas a estes aglomerados de organismos. Conhecê-los melhor é meio caminho para os poder controlar.

Últimas Notícias
Mais Vistos